.

.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Asa relaxa fator higiênico e Fábio Alves reclama

Não vejo motivo para tanta celeuma por conta das declarações do lateral-esquerdo Fábio Alves (Asa) depois da derrota do clube para o Cuiabá (3x1), no último domingo, 30, na Arena Pantanal. O atleta estava visivelmente chateado com o resultado do jogo e expressou uma insatisfação que estava presa na garganta. Uma conversa entre diretoria e jogador resolve tudo, na minha maneira de ver. 

O Presidente da Agremiação tem se mostrado muito transparente, o que gera credibilidade e facilita o entendimento. O Asa tem que ser maduro o suficiente para não deixar uma pedra de gelo se transformar em uma avalanche.


Fábio Alves


Fábio reclamou do atraso no pagamento dos  Direitos de Imagem. É um direito que ele tem dentro de um país democrático, embora desagrade a muitos. Vale frisar que este tipo de remuneração é o que se chama em Administração de Fator Higiênico, apresentado  pelo estadunidense, Frederick Herzberg, no livro “A Motivação para Trabalhar” (The Motivation to Work). O FH não gera satisfação quando é cumprido, mas é capaz de provocar uma imensa insatisfação quando deixa de ser efetivado, daí entender o descontentamento do atleta. Estou convencido de que o olho no olho pode aplacar os ânimos e fazer as partes voltarem a se entender.