.

.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

Saiba onde assistir River x CSA





A partida entre River x CSA, válida pela Copa do Nordeste, que acontece neste sábado, 01, às 16h, no Albertão, em Teresina, terá transmissão, ao vivo e em cores, pelo LiveFC e pelo SBT. O CSA precisa vencer, visto que é o lanterna do Grupo B, não tendo pontuado ainda na competição. Em tempo. O time alagoano jogou apenas uma partida. Perdeu para o Sport por um a zero, na estreia da Nordeste.

Procura-se um bólido

O Senhor Genivaldo Batista gratifica quem der informações do veículo Renalt Sandero, cor prata, placas PVY 0978, ano 2015, de Maceió, que foi tomado de assalto no conjunto Salvador Lyra. O “bandideco de m....” aparentava uns 20 anos de idade. Quem tiver alguma informação contatar o número 82 9 8880 4884.


Imagem ilustrativa


A bandidagem não está dando mole para ninguém faz tempo. É preciso forte repressão para, no futuro, pensar em educação. Infelizmente ainda tem gente que defende que o jovem possa assaltar para usar o apurado com o fruto do roubo para “tomar uma cervejinha com os amigos”. Ora, faça-me o favor!

Ofendo e não percebo


O fato a ser relatado neste post se verificou no interior do Piauí. Não vamos citar o nome do envolvido por mera questão de ética profissional. Dito isso, vamos aos fatos.

Um integrante da crônica-esportiva foi demitido da empresa em que trabalhava juntamente com outros profissionais. Passado algum tempo, um egresso na mídia foi convidado para trabalhar em datas pontuais. Recusou o convite por discordar do cachê. Foi então que um outro mais veterano foi chamado e aceitou trabalhar por uma “onça”, R$ 50, cada vez que usasse o microfone da entidade de comunicação. O aceite foi encarado como aviltamento da profissão, visto que é menos do que recebe um servente de pedreiro, uma faxineira, um capinador etc, com todo respeito às pessoas que desenvolvem as profissões citadas. 

Foi o suficiente para que os trabalhadores com carteira assinada e os que estão fora do mercado ficassem revoltados. Ninguém conseguiu entender como uma pessoa trabalha para acabar com a própria profissão. Os mais maldosos chegaram a afirmar que o “profissional” em tela estava querendo apenas um microfone na mão para “furar” o mercado da progressiva cidade onde vive.

Como se não bastasse o reboliço, o personagem desta narrativa tem o hábito de gerar intriga entre os pares, implodir os departamentos por onde passa, visto que elege inimigos imaginários e passa a trabalhar para eliminar os que considera potenciais “ladrões” de posto de trabalho. 


Delírio persecutório, um dos males do Século XXI


O comportamento pode ser classificado como “delírio persecutório”, que só tratamento psiquiátrico pode resolver. O problema é mais grave porque o doente não se reconhece delirante. Enquanto não trata o mal, trata de “puxar o tapete” dos outros. Ficamos na torcida para que o rapaz se reconheça doente e busque tratamento urgente. Enquanto isso não ocorre vai ficando isolado e tendo portas fechadas por onde passa.