.

.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Murici não atende critério técnico para participar do Alagoano


A decisão monocrática de colocar de volta o Murici para jogar o Alagoano de Futebol Profissional - ainda sem  julgamento do mérito - proferida pelo Auditor Ronaldo Piacentido, do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, entre outras coisas, afirma que o fato de não ter entregue as certidões negativas de débito, não configura razão para o rebaixamento do clube. 




Estatuto do Torcedor será decisivo para o Murici


Considero o fato controverso e entendo que quando da apreciação do caso mais detalhadamente, o STJD poderá condenar o Murici. É simples. O Estatuto do Torcedor exige as certidões. Leia transcrição abaixo. 

Art. 10. É direito do torcedor que a participação das entidades de prática desportiva em competições organizadas pelas entidades de que trata o art. 5o seja exclusivamente em virtude de critério técnico previamente definido.

§ 1o  Para os fins do disposto neste artigo, considera-se critério técnico a habilitação de entidade de prática desportiva em razão de: 
.
.
 . 

II - cumprimento dos seguintes requisitos:

a) regularidade fiscal, atestada por meio de apresentação de Certidão Negativa de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União - CND

b) apresentação de certificado de regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS

.
.
.
       
§ 3º, I - a entidade de prática desportiva que não cumprir todos os requisitos estabelecidos no inciso II do § 1o deste artigo participará da divisão imediatamente inferior à que se encontra classificada;    


Não é preciso ser juiz ou auditor para interpretar a redação da Lei 10.671/03. Está claro que "divisão imediatamente inferior" significa rebaixamento, daí o Presidente da Federação Alagoana de Futebol Felipe Feijó ter agido corretamente ao rebaixar o Murici. O regulamento do Alagoano recepciona a 10.671.  É o que penso, não desrespeito quem entende de forma diversa, mas ainda sou daqueles que acreditam que vale o que está escrito. Se a lei é injusta, mude-se a lei.

A súmula

Ainda não foi divulgada a súmula de Asa 1x0 Ipanema, disputado em Arapiraca, nessa quarta, 03,  pela quarta rodada do Alagoano de Futebol Profissional. O documento é aguardado com muita expectativa, visto que a grande maioria presente ao Coaracy da Mata Fonseca jura que o árbitro Charles Hebert aplicou dois cartões amarelos  ao jogador do Ipanema, Palhinha (um em cada tempo de jogo), sem o ter expulsado de campo no segundo momento. 



A seriedade de Charles vai retratar o que escreverá na súmula


Teria o dono  do apito se equivocado! O cartão do primeiro tempo não teria sido para Palhinha! Qual jogador do Ipanema  foi punido no primeiro tempo, se não foi Palhinha! Charles irá refazer o "equívoco" na súmula! Vai manter a postura de campo e indicar apenas um amarelo para o atleta! Por todas estas questões é que o documento oficial de tudo que ocorreu na partida é esperado ansiosamente por todos. Até o momento desta postagem a súmula não estava disponível no sítio-eletrônico da Federação.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Sintonize


É hora de comprar rádio novo


Já estão disponíveis no mercado aparelhos de rádio com a faixa estendida de FM, que tem início nos 76 MHz. Os modelos existentes até então operavam a partir dos 88 MHz. Com a migração das emissoras da AM para a FM será necessário adquirir aparelhos novos, visto que nos antigos não será possível sintonizar as rádios que estiverem na frequência entre 76 e 87 MHz, principalmente nas grandes cidades, onde o  espectro já está totalmente preenchido com as já existentes.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Eliminação do Murici ajuda metade dos times e prejudica a outra banda

Não ter o mínimo de atletas inscritos na Federação Alagoana de Futebol na data marcada pelo regulamento do Alagoano de Futebol Profissional e não ter apresentado as certidões negativas de débito junto aos órgãos governamentais, no prazo, foram causas determinantes para a decisão do Pleno do Tribunal de Justiça Desportiva de Alagoas, de eliminar o Murici da competição. O fato traz implicações para os clubes que permanecem na disputa pelo título de Campeão Alagoano de 16. 

 
Cidade de Murici fica sem representante no Alagoano


A primeira delas é que apenas mais uma agremiação será rebaixada para a Segunda Divisão de 17. O Murici já caiu. A segunda é que todos os jogos do Murici ficam anulados. É como se não tivesse jogado. Quem ganhou pontos contra ele vai ter a pontuação retirada da tábua de classificação. Terceira: os grupos ficam desequilibrados. O A com 4 equipes e o B com 5. Como um grupo joga contra o outro, as equipes do A farão 10 partidas e as do B apenas 8. Isto significa dizer que a probabilidade dos times do A terminarem com mais pontos que os do B, é real, gerando  implicações na fase seguinte.

O Hexagonal (Segunda Fase) será disputado em sistema apenas de ida, ou seja, cada time jogará cinco partidas. Três dentro de casa e duas fora, ou vice-versa. O critério para saber quem joga mais no próprio campo  é justamente a pontuação da Fase Inicial. Como provavelmente os times do Grupo B farão menos pontos que os do A, serão penalizados no critério mando de campo, sem que tenham contribuído para tal. Já estou esperando pelas reclamações de CRB, Penedense, Coruripe, Ipanema e Santa Rita

E atenção! Da decisão do TJD-AL ainda cabe recurso. Se o Murici recorrer e ganhar no STJD, aí é que o Alagoano endoidará de vez. Quem viver, verá. Eu hein!

 

A luta continua


Kennedy Luiz: "Apenas quero que respeitem a lei"

O desrespeito ao Estatuto da Associação dos Cronistas Desportivos de Alagoas, quando da última eleição, ocorrida em 20 de janeiro passado, ainda não foi esquecido pelos que foram ultrajados por manobras sórdidas e eleiçoeiras. Defensor do estrito cumprimento da lei, o dissidente, Kennedy Luiz, está ingressando com uma ação judicial solicitando a anulação do pleito que reconduziu Jorge Lins à Presidência da ACDA e marcação de um novo, respeitando, ipsis litteris, o que diz a Carta Magna da Entidade. Vem bronca por aí.

Acea deverá começar a funcionar ainda em fevereiro

 
Equipe que labuta na criação da Associação de Cronistas Esportivos de Alagoas, demonstrando um alto grau de profissionalismo e a agilidade que os tempos modernos recomendam, encerrou a fase preliminar dos trabalhos. A primeira diretoria já está montada, um moderno Estatuto confeccionado, o leiaute das carteiras pronto, a bandeira da nova Entidade definida, local de funcionamento acertado, faltando apenas, agora, os trâmites burocráticos, como registro em cartório, emissão do CNPJ e posse dos novos diretores, em data ainda a ser marcada, por conta da agenda do Presidente da Associação de Cronistas Esportivos do Brasil Eraldo Leite, que estará presente à solenidade. 
 
 
Equipe unida e feliz após conclusão dos trabalhos da primeira etapa
 
 
Há uma expectativa muito grande entre os cronistas-esportivos alagoanos, visto que muitos não concordam com a atual condução da Associação dos Cronistas Esportivos de Alagoas e não escondem o desejo de migrar para o novo ente. Outro fator que pesa na decisão é o preço das carteiras local e nacional, que ficarão bem abaixo dos praticados pela ACDA e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos. Com custo menor e maior credibilidade, a Acea já nasce soberana.

IPVA sem escape


IPVA: Impossível Pagar Valor Arbitrado


Proprietários de veículos da base territorial de Alagoas estão assustados com os valores do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores para o exercício de 2016. Em alguns casos o reajuste chegou a mais de 40%. Tudo por conta da Lei 7.745/15, aprovada pela Assembleia Legislativa de Alagoas, no final do ano passado, que elevou a alíquota  de 2,5% para 3% para os carros até 80 hp; para 3,5% no caso dos veículos entre 81 e 160 hp; e para 4% em se tratando de bólidos acima de 160 hp. A base de cálculo é o valor venal do carro pela tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). No popular: é um assalto.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Perigo!


Situação da casa-mata onde trabalham os técnicos das emissoras de rádio, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, é periclitante. Um emaranhado de fios e gambiarras viabilizam as transmissões. O pior é que o ambiente é aberto, portanto, sujeito à chuva. Fico me perguntando se o Corpo de Bombeiros e a Associação dos Cronistas Desportivos de Alagoas não enxergaram o fato quando da vistoria que aprovou o Trapichão para jogos oficiais.


O perigo mora ao lado do campo de jogo da principal praça de esportes de Alagoas (Foto: Thiago Davino)


Diante do fato restam duas perguntas: em caso de incêndio, existem extintores próximos ao setor, para evitar que o fogo se espalhe? Caso algum profissional morra eletrocutado, a culpa será da ACDA, da Secretaria do Esporte de Alagoas ou dos Bombeiros? Quem souber que responda.

Vereador libera internet para moradores de São Brás


Klinger Quirino foi o mais votado em São Brás na última eleição


Moradores do município de São Brás, que fica na divisa entre Alagoas e Sergipe, às margens do Rio São Francisco, já contam com serviço de internet grátis, que pode ser acessado no calçadão central, em frente à Igreja Matriz. A iniciativa foi do Vereador Klinger Quirino (Democratas). "Precisamos socializar a informação na nossa cidade", disse o parlamentar autor da ideia. Fica a sugestão para outras localidades carentes Brasil afora.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Com racha e sem racha


A informação passada no grupo de WhatsApp dos que participam do racha  (jogo de bola) da Associação dos Cronistas Desportivos de Alagoas, às quintas-feiras, em Maceió, deixou os integrantes  da atividade preocupados. A notícia dá conta de que a pelada não vai mais acontecer porque a ACDA não tem recursos para pagar o aluguel da quadra. O rachão havia sido suspenso no final do ano passado, com o compromisso de ser retomado caso Jorge Lins fosse reeleito Presidente, ou seja, foi uma promessa de campanha alardeada aos quatro cantos.


Preservamos o nome de quem postou o fato para evitar que seja retaliado

Depois que soube da novidade, contatei o tesoureiro da Associação e recebi de Elísio Silva a confirmação de que o joguinho voltará no próximo dia 25 de fevereiro. Mesmo assim nosso informante reafirmou categoricamente que o encontro da bola, acabou. Sabendo que as decisões na ACDA são monocráticas e que só vale a palavra do Senhor Jorge Lins, vou aguardar pela data marcada para o reinício para ver se o verbo de Elísio poderá ser conjugado, ou se será mais um a ser desconsiderado por Lins.

Este caso lembra bem um fato recente. Antes da eleição tudo eram flores, passado o pleito, as mazelas começam a aparecer. Felizmente não votei pela aprovação das contas do mandato anterior, visto que nenhum documento foi aberto na ocasião e nenhuma despesa e receita foi apresentada junto com a respectiva prova. A prestação de contas foi simbólica, com um breve relatório sendo lido para os presentes, que o aprovaram, com exceção de um pequeno número de associados que repudiaram a forma como o processo aconteceu. Vamos aguardar quais serão as próximas surpresas que nos esperam.