.

.

quinta-feira, 29 de março de 2018

São Brás

Com relação ao post Bens de Ex-Prefeito de São Brás seguem indisponíveis, que trata da manutenção da indisponibilidade dos bens do Ex-Prefeito de São Brás, Borges Neto, denunciado pelo Ministério Público por improbidade administrativa, o Ex-Prefeito esclarece que ainda "não houve condenação" e alega que a obra em questão "foi feita". Segundo Neto, trata-se de "um cais de contenção" que encontra-se construído na Cidade. 


TJ manteve bens de Neto indisponíveis


Reforçamos que os bens de Borges Neto continuam indisponíveis, segundo decisão unânime do Tribunal de Justiça de Alagoas, atendendo à denúncia do Ministério Público, que afirma que, mesmo tendo contratado uma empreiteira para realizar a obra, o serviço foi feito utilizando a estrutura da Prefeitura de São Brás. 

quarta-feira, 28 de março de 2018

Uma classe e duas entidades legítimas

Com a criação da Associação de Cronistas Esportivos de Alagoas, as dependências das praças esportivas, no Estado, passaram a ser utilizadas pela Acea e pela Associação dos Cronistas Desportivos de Alagoas, tudo dentro da mais perfeita ordem e respeito, em um convívio urbano entre os cronistas. A prova maior desta irmandade está na entrada da Tribuna de Mídia do Estádio Rei Pelé, onde as duas Associações dividem o espaço, como mostra o portão de ingresso do local.


Porta de entrada da Tribuna de Mídia do Trapichão


A diretoria da Acea irá implantar, em breve, melhorias para os cronistas, inclusive para os que pertencem a ACDA, já que todos somos colegas e buscamos o mesmo objetivo: o soerguimento da categoria.
 
Em tempo. A Acea é uma facção dissidente da ACDA, que surgiu em função dos fatos verificados na última eleição e da discordância dos métodos utilizados pelo atual Presidente da ACDA. Tudo absolutamente normal, dentro da Democracia e respeito aos preceitos constitucionais. Todo mundo feliz e cada um carregando no peito o escudo da entidade que entende ser melhor para si. Tenho dito.

Cartola tentou escalar Asa: a prova está aqui

"Luís gustavo [sic] precisa estrear; Dida, Chiquinho, Lucas Bahia, Caíque e Piauí; Cal, Luiz Gustavo, Marlon [sic] e André Beleza; Romulo [sic] e Isaías; Com a opção no segundo tempo de Felipe ou Caapora [sic] no lugar do Isaías; Mau [sic] amigo! O Asa tem jogado muito aberto. Não é culpa sua vc chegou agora. Pense nestas opções. Fanoso [sic] 4-4-2. vc[sic] preenche mais o meio campo [sic]. CRB é muito forte neste setor."

O grifo acima é uma mensagem enviada pelo dirigente do Asa, Zé da Danco, para o ex-treinador, Jaelson Marcelino. Como notamos, o cartola usa a influência de "patrão" para determinar a escalação do Alvinegro e ainda aponta substituições, mesmo sem saber o que iria acontecer no decorrer do jogo. Lamentável sob todos os aspectos. Nada mais a dizer. As palavras falam por si só. Só nos resta acreditar  que um dia o Asa tenha uma gestão mais profissional, que faça a estrutura ganhar ares de modernidade e sepulte hábitos deploráveis como a intervenção na escalação de uma equipe trabalhada a semana toda pelo treinador.


Jaelson sai do Asa descontente com a interferência no trabalho de campo


Certíssimo Jaelson Marcelino ao entregar o cargo. Não vale a pena trabalhar sob determinações sem qualquer embasamento científico. Que o Asa cresça como Entidade de Prática Desportiva, mas principalmente na mentalidade dos que o dirigem. 

terça-feira, 27 de março de 2018

Bens de Ex-Prefeito de São Brás seguem indisponíveis

O Tribunal de Justiça de Alagoas manteve a indisponibilidade dos bens do Ex-Prefeito do município de São Brás, Antônio Costa Borges Neto, por conta de improbidade administrativa. Neto havia entrado com Agravo de Instrumento para ter, de volta, o direito sobre o patrimônio construído ao longo da vida. A decisão foi unânime. O ex-mandatário de São Brás havia recorrido da decisão, solicitando o desbloqueio dos bens, alegando que não havia ocorrido "dilapidação do patrimônio". 


TJ nega recurso de Borges Neto


Neto foi condenado por ter contratado uma construtora para realizar obras no município, que nunca foram executadas. Mesmo assim a Prefeitura pagou salários de funcionários da referida empresa e comprou material de construção, causando um prejuízo ao erário de R$ 344 mil.

quarta-feira, 21 de março de 2018

A trava-elétrica de Jaelson Marcelino

Depois da trava-elétrica que o técnico do Asa Jaelson Marcelino colocou no CSA, na primeira partida pela Fase Semifinal do Alagoano de Futebol Profissional deste ano, no jogo vencido pelo Asa, por um a zero, em Arapiraca, na quarta, 14, vai caber ao treinador do CSA Marcelo Cabo, encontrar uma ferramenta que desative a trava, que impediu o CSA de jogar, principalmente porque Daniel Costa e Didira foram anulados por Luiz Gustavo e Cal, respectivamente, os dois volantes do Alvinegro.

Como deu certo e o Asa joga por um empate, em Maceió, no próximo sábado, 24, é provável que Marcelino repita a dose, que poderá, também, ser  aprimorada. Diante disso, entendo que a alternativa do CSA seria jogar com três meias e um volante, como mostrado na figura abaixo. Nesta formação, a defesa seria montada no chamado trapézio invertido (dois centrais recuados e os laterais formando a segunda linha), com Daniel Costa tendo a função de receber a bola à frente dos centrais para iniciar a transição, ou seja, armaria o time de trás para frente, tendo como opções de saída os laterais e os outros dois meias, um deles aberto (Didira). 


Observe as opções do número 10 (Daniel), em ele armando o time de trás para frente


Dentro desta hipótese, se o Asa determinasse marcação individual dos dois volantes em Daniel Costa e Didira - como fez no jogo passado - deixaria sem proteção a zaga. Se colocar um meia para marcar a saída de bola com Daniel, provavelmente o incubido de realizar a função não teria o mesmo poder de marcação de um volante. Em o Asa colocando um terceiro volante e o adiantando para jogar na frente da zaga do CSA, colado em Daniel, perderia um homem de ligação na hora em que tivesse a bola dominada para golpear o adversário.

E aí você pergunta: como ficaria a marcação do CSA? em dois terços de cada tempo faria o bloque alto, com os dois atacantes e os dois meias pressionando a defesa do Asa logo na saída de bola. No outro terço - momento de respiro - Didira viria fazer a função de segundo volante quando o CSA fosse atacado.

Vai dar certo? Não sei. Esta seria uma forma de jogar para tentar fugir da trava-elétrica. Ah! Jaelson, astuto como é, pode surpreender com uma nova maneira de atuar. Verdade é que a partida entre CSA x Asa será um verdadeiro jogo de xadrez, decidido pelos jogadores em campo, mas sabendo que a forma de montar o time será fundamental para obter a classificação. Com a palavra os dois treinadores.

terça-feira, 6 de março de 2018

Estão copiando a Tupi

É inegável a excelente qualidade das vinhetas da Rádio Tupi/RJ. A produção, quando levada ao ar, faz com que a programação fique mais alegre e a comunicação flua melhor do emissor até o receptor.


A marca Tupi está mais fortalecida do que nunca


O trabalho é tão bom que já está sendo copiado Brasil afora. Não é raro encontrarmos outras emissoras adaptando a criação carioca e implantando em cada pedaço da Terra Tupiniquim. É a velha máxima: "Aqui nada se cria, tudo se copia.". Confesso que não sei como fica a questão dos direitos autorais ou se a rádio do Rio de Janeiro está liberando, ou vendendo, suas criações para outros prefixos. Quem souber, informe.

sexta-feira, 2 de março de 2018

Sem erro, por favor!

Mais uma vez a falta de capacidade de interpretar um texto está levando informação com ruído para o torcedor. O frêmito está em se afirmar que "os melhores colocados na fase inicial do Alagoano jogarão por dois empates ou resultados iguais e opostos, na semifinal", para conquistar a classificação para a Fase Final. Não é assim, não.


O regulamento é claro


A letra fria do regulamento da competição deixa claro que em caso de empate por pontos, o classificado será o que houver obtido melhor saldo de gols na semifinal. Se empatarem em pontos e em saldo, aí sim, vale a melhor classificação na fase inicial para se conhecer o classificado. Simples assim. Basta um pouco mais de trato com as letras e uma pequena capacidade de interpretação de texto para que se possa saber, com certeza, como será a disputa.

Por outro lado, como já colocado no post Somente a lei, devemos entender o momento que vivemos. Pessoas que não leram os livros mais elementares da escola primária, não conseguem desenvolver um raciocínio que exija um pouquinho mais de entendimento, portanto, não as condenamos, apenas entendemos que precisam cumprir a máxima: "Na dúvida, não dê.".