.

.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Acusar um corrupto não é defender o outro

Depois da queda de Temer e Aécio o que se mais escuta das pessoas é o tal do "Tá vendo, Lula e Dilma não eram ladrões! E agora, o que é que você vai dizer de Temer e Aécio", como se ao recriminarmos Lula, Dilma e o PT estivéssemos defendendo qualquer tipo de ladroagem. Não se trata de quem é o ladrão, mas do ladrão em si, figura deplorável que não tem mais lugar em um mundo justo. 


O fim da corrupção depende de todos os brasileiros


Não tenho sequer cachorro de estimação, quanto mais corrupto por quem zele. Defendo o bem-comum; a lealdade; o altruísmo;  valores como sinceridade, honestidade, transparência; virtudes como generosidade, temperança, bondade, humildade; coisas que passam ao largo da maioria dos viventes no Brasil de hoje e que um dia chegarão com as novas gerações desprovidas dos vícios que nossa sociedade carrega. Não estamos em uma disputa para saber quem é mais ou menos corrupto,  quem rouba mais, ou menos, o que queremos é o fim da corrupção e da roubalheira. Com estes dois cânceres todos perdemos e não estamos em defesa de corrupto A ou B. Os dois merecem nosso desprezo. Não são dignos da nossa estima. Ah! Não tenho nem corrupto, nem cachorro de estimação.